CONEXÃO NA CIDADE DO MÉXICO: Saindo do aeroporto
20 de junho de 2015
13

Se você tem sede de conhecer o máximo de lugares possíveis que nem eu, já deve ter optado em comprar uma passagem com tempo de conexão maior só para poder dar uma saidinha do aeroporto. Esse tipo de viagem mais quebradinha me agrada porque viagens muito longas de avião me cansam demais e assim, posso respirar o ar de mais um lugar novo.

Para mim, o México era um daqueles países que até estavam na minha bucket list, mas que se eu tivesse uma provinha antes de comprar uma passagem e me mandar para lá, seria melhor. Portanto, o que eu fiz na minha última viagem aos EUA, foi comprar uma passagem com seis horas de espera na ida e um dia inteiro na volta na Cidade do México, pela Aeromexico. Supostamente, esse tempo seria suficiente para eu sentir o terreno e decidir se voltaria depois para uma viagem mais longa ou não.

Como eu já sabia de antemão, seis horas de espera entre um voo e outro se transformam em bem menos por causa do tempo de eventuais atrasos, desembarque, passagem pela Polícia Federal e bagagem.

Eu acho que isso depende da companhia aérea mas, normalmente, a bagagem é despachada do aeroporto da sua cidade diretamente para o aeroporto do seu destino final e você não precisa se preocupar com isso durante a viagem, mesmo que ela tenha mais de uma conexão.



Só que dessa vez, assim que chegamos em CMX, tivemos que pegar nossa bagagem e colocá-la em uma outra esteira que seguiria para o destino final. Portanto, é muito importante que você contacte a companhia aérea e pergunte para onde a sua bagagem é levada e se você pode sair do aeroporto. Sim, em alguns países é exigido o visto de trânsito e é bom que você se informe sobre isso também.

EDIT:

Muitas pessoas me perguntaram nos comentários se eu precisei de algum visto para entrar no México e sair do aeroporto e a resposta é não.

Minha viagem foi entre julho e agosto de 2014 e, tanto na ida, quanto na volta, eu simplesmente mostrei o cartão de embarque do voo seguinte na imigração, disse que ia passar as horas de espera passeando pela cidade, eles carimbaram meu passaporte e pronto. Não sei se de lá pra cá algo mudou, portanto, meu conselho continua sendo não só o de checar no consulado mexicano, mas como o de ligar e confirmar com a companhia aérea. Isso é muito importante!

Depois do desembarque e malas despachadas, eu tinha mais ou menos três horas para circular pela cidade e por quê? Porque mesmo já tendo o cartão de embarque do trecho seguinte em mãos, precisava estar no aeroporto 1:30h antes do horário do próximo voo.

Tá vendo só como aquela escala grande não é nada quando a gente decide sair?

A Cidade do México é gigante – maior e mais caótica do que São Paulo – e, felizmente, conta com um sistema eficiente de metrô, com uma estação já na saída do aeroporto. Pesquisei e já tinha anotado comigo as estações de metrô que deveria descer para ir a zona que eu queria conhecer: La Condesa, o bairro boêmio.

Como já era noite quando cheguei lá, fiquei com um pouquinho de medo porque as ruas da CMX são MUITO escuras! Mal iluminadas mesmo, fiquei bem surpresa. Eu que já sou cega quando tem luz, imagina lá! Parada tensa mesmo…

Poucas pessoas estavam na rua (era dia de semana) e, para piorar, meu espanhol é péssimo. Sério, eu acho que sou a única brasileira que não consegue engatar uma conversa em espanhol. Eu até entendo o que eles falam, mas eu não consigo me fazer entender.

Segui minha intuição e as poucas instruções que consegui absorver do carinha que perguntei para chegar aos bares e restaurantes. Antes, passei por uns três lugares onde vi pessoas dançando. Aquilo que falam dos mexicanos, que eles adoram dançar é a mais pura verdade. Eles não param de dançar um minuto! Bom, infelizmente, eu só tinha tempo mesmo para jantar e voltar para o aeroporto. Senão, eu ficava por lá mesmo. :B

O La Botica, o bar que acabei entrando, era bem legalzinho, do tipo que as pessoas passam para relaxar um pouquinho depois do trabalho. Cada grupo reunido, tomando sua cervejinha e comendo o que eles colocam na sua mesa assim que você sentava, e o que eu não descobri até hoje o que era.

Aperitivos no La Botica Mezcalería
Seriam amendoins? Feijões?? Sementes???

Pedi a coisa mais identificável do cardápio e fiquei ali aproveitando o momento. O que eu mais adoro quando viajo é observar as pessoas no seu “habitat natural” e reconhecer que apesar da cultura diferente, todos nós fazemos as mesmas coisas.

Um cara de um dos grupos puxou assunto comigo e me chamou para sentar com eles. Apesar do papo não ter rolado direito (é muito difícil achar mexicanos que falem inglês), deu para ver que eram boas pessoas e bem animadas. Eu até dancei com um deles – salsa, ai meu Deus, eu nunca tinha dançado salsa na vida, ainda mais assim, pra valer! Me senti gringa sambando pela primeira vez no Brasil. Haha

Pena que não pude ficar mais. O trajeto de metrô era longo e eu não ia arriscar pegar um táxi naquela escuridão toda na minha very first noite no México. Me despedi dos mais novos velhos amigos de infância que nunca mais irei ver de novo – a vida de viajante solitária é cheia deles – e voltei sã e salva para o aeroporto. O que eu fiz na conexão de volta dos EUA, eu conto em outro post.

Se você quiser sair do aeroporto durante uma conexão, preste atenção no que eu vou dizer abaixo.

DICAS:
  • Essa é bobinha, mas a vale a pena frisar. Preste atenção no horário de chegada do seu voo (o horário que consta no bilhete é sempre o LOCAL) e veja se é viável sair do aeroporto. Não adianta nada chegar à noite e seu próximo voo ser de manhã cedo. Você não vai passar a madrugada na rua, né?
  • Se a moeda do local for fácil de encontrar na minha cidade, eu já levo dinheiro trocado. Se não, troco no aeroporto. Jamais pensaria que seria fácil de arrumar pesos mexicanos no Brasil, mas até que foi. o/
  • Verifique se o aeroporto fica numa região central ou se tem fácil acesso para os pontos da cidade que pretende dar uma olhadinha. Muitas vezes, os aeroportos ficam beeem distantes do centro e ir e voltar de lá é uma perda de tempo. O Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro é um bom exemplo disso. Sair e voltar para lá só ficou razoavelmente rápido com a implantação recente do sistema de BRT.
  • Informe-se sobre os vistos de turistas em trânsito.
  • Se você já sabe que vai ser difícil carregar sua bagagem de mão, veja no site do aeroporto se eles possuem guarda-volumes e o valor. Foi o que eu fiz em Madri. Eu atééé poderia carregar comigo a minha mochila de 40L, mas optei por deixar lá e andar mais livre durante a tarde que eu tinha na cidade. Paguei 10 euros para deixar durante 24h.

E você? Já deu uma “rapidinha” na Cidade do México ou em algum outro lugar? Foi tranquilo?

Me conta nos comentários porque eu estou sempre querendo saber mais sobre esses assuntos. 🙂

Designer de Moda/Gráfico Freelancer que mora em Portugal, ama animais, viajar, divagar e escrever sobre isso.
Minhas inspirações visuais e musicais estão sempre pelas minhas redes sociais, logo aqui embaixo, ó.

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

13 comments

  1. Thais sabe informar se ao chegar no México(vindo de Miami) para ficar por sete dias , terei que declarar e pagar imposto pelas compras que por ventura eu tenha feito em Miami ?
    Se sim, qual o percentual de imposto?
    Por ser um estrangeiro temporário ni Mexico eu não seria isento?
    Corro risco de ser taxado duas vezes, uma ao desembarcar no México e outra ao desembarcar no Brasil?
    ?

    1. Olá, Welsimar!
      Desculpe, mas não faço a mínima ideia sobre os impostos. Nunca sei nada sobre isso de nenhum país que visito. hehehe

  2. Olá Thaís! Adorei seu post. Estou indo para Cancún na próxima semana e tenho uma conexão de 8 horas na Cidade do Mexico (entre 15h e 23h). Estou morrendo de vontade dar um pulinho ao Zócalo para tirar uma foto, mas algumas pessoas já me disseram que é muito perigoso. Não vou sozinha, vou estar com mais duas amigas e pensei em pegar um taxi mesmo. Como vc ja esteve por lá, na sua opinião, seria viável?

    1. Olá, Suelen! Obrigada. 😀
      Olha, eu sou do estilo aventureira e como venho do Rio de Janeiro, sempre acho que não vou encontrar cidade mais perigosa do que a minha. haha
      Estando com amigas então, eu não pensaria duas vezes antes de ir!

  3. Oi Thais! Viajo próximo dia 13 pra NY e pra economizar peguei uma viagem pela cidade do méxico e a espera é grande, 16hrs! Eu tinha lido no site do consulado mexicano que quem estivesse em conexão p outro país não podia deixar a sala lá reservada do aeroporto. O teu caso, o destino final era os EUA e mesmo assim te deixaram sair pra passear? E no caso, vc passou por alguma imigração no Benito Juarez? Obrigado desde já a atenção

    1. Olá, Mário!
      Algumas outras pessoas tiveram essa mesma dúvida, não sei se mudou alguma coisa da época que fui (2014), mas eu não tive problemas para sair do aeroporto. Apenas apresentei o cartão de embarque do voo para os EUA, na imigração mexicana, e disse que voltaria em algumas horas, isso na ida e na volta. Sugiro que vc ligue para a cia aérea para confirmar. Boa viagem! 🙂

    2. Olá, Mário!
      Muitas pessoas estão comentando sobre não poder sair dessa sala no aeroporto. Será que mudaram? Porque eu saí e voltei tranquilamente, passando pela imigração, mas isso foi em 2014. Sugiro confirmar com a companhia aérea (foi o que fiz na época e aproveitei para perguntar o que aconteceria com as bagagens também, se iam direto ou se eu teria que “despachá-las” novamente)

  4. Olá!!!
    Estou indo para Cancun, e tenho uma escala de 8 horas em Miami, já tenho o visto (b1-b2), mas a dúvida é, como vou informar a imigração que quero passear pela cidade e depois volto? rsr. Preciso me informar com a companhia se também é possível sair do aeroporto? Você sabe me esclarecer essa dúvida?
    Já pensei em ligar para o consulado… rsr.

    1. Olá, Bruno!
      A imigração nos EUA costuma ser mais rígida, mas explicando pra eles e com o cartão de embarque do próximo voo em mãos, não deverá ter muitos problemas…
      De qualquer forma, eu ligaria pra cia aérea sim.

  5. Oi Thais! Primeiramente, obrigada pelo post!
    Segundamente, rs, estou com viagem marcada pro Canadá e terei duas escalas INTERMINÁVEIS de 11h/ida e 15h/volta. To com muita vontade e receio em sair do aeroporto, pois estão me dizendo que a CMX é um lugar muito perigoso e violento. Não falo absolutamente nada de espanhol, nem meu namorado que vai comigo. Mas, não estou conseguindo me conformar com a ideia de ficar tantas horas num aeroporto sem, como vc mesmo disse, respirar ares de um lugar completamente novo. Como vc fez seu planejamento para ir até o bairro que citou? Tem sites para indicar? Ah, nunca sai do país, por isso o *medaço* haha

    Obrigada!

    beijão

    1. Olá, Maria Eduarda!
      Primeiramente, de nada. 🙂
      Segundamente, entendo seu receio. Eu também ouvia dizer que a CMX era bem perigosa e eu também não falo nada de espanhol mas, pra quem nasceu e foi criada no Rio de Janeiro, aquilo ali é pinto. hehe
      Se você mora em cidade pequena aí no Brasil, pode estranhar mais, mas eu aconselho perder o medo, principalmente, porque você vai junto com o seu namorado. Ter alguém em um lugar desconhecido vai te deixar mais tranquila e a gente só vai saber como vai se sair tentando mesmo.O pessoal no aeroporto fala inglês e pode ajudar dando as direções.
      Eu fiz meu planejamento todo olhando em blogs mesmo (pra Teotihuácan, eu usei o da Jana Rosa) e usando o google maps pra saber em quais estações de metrô eu tinha que descer. Eu quis usar o transporte público porque sempre viajo com orçamento apertado e porque me recuso a tomar volta de taxista fora do meu país. haha Mas, acredito que na porta do aeroporto tenha motoristas mais confiáveis, caso queiram. O impressionante é que eles não entendem nada de português, acho que porque nunca tiveram contato com a nossa língua, diferente de quando você vai pra Argentina e se vira com portunhol. Mas, como eu disse, não é nada aterrorizante e se vocês ficarem na zona turística (acredito que vão ficar até por causa do tempo) é mais tranquilo ainda. Ah e confere com a companhia aérea se a bagagem vai direto ou não pra agilizar no aeroporto. Vai dar tudo certo pra vocês! Boa viagem! 🙂

  6. Oh Thais, adorei o texto. Preciso da sua opinião esperta? 😉
    Vou ter uma conexão de 12 horas na cidade do México, chego ás 6 da manhã e 6 da tarde vou pra os States! eu estou muito tentado em sair, sei lá para onde iria, mas sempre quis vivenciar um pouquinho. Você acha viável, para esta região que você foi, comer e voltar?

    Você sabe me dizer se saindo do aeroporto precisa pagar novamente taxa de embarque (como acontece em São Paulo :/ )

    Obrigado
    Rafael.

    1. Olá, Rafael! Que bom que gostou. 🙂

      Acho super viável você sair para comer nessa região que fui (La Condesa). Acho que você demoraria, no máximo, 1:30h pra sair do aeroporto de manhã e chegaria lá por volta das 8:30, 9h indo de metrô. Daria tempo de sobra para você rodar e voltar lá pelas 13:30 para dar tempo de chegar às 15h no aero de volta.

      Eu não paguei nada para embarcar lá. Fui de Aeroméxico e ainda no Rio, os cartões de embarque foram impressos e eu fui direto para o portão, sem passar pelo check in.

      Espero ter ajudado e boa viagem! 😀